Categorias
Entrevistas exclusivas Últimas notícias

Iates, jatinhos… A superpegada de carbono dos super-ricos

O antropólogo Richard Wilk explica como o estilo de vida dos bilionários prejudica a nossa sociedade

POR KATHRIN GLÖSEL – KONTRAST.AT

Os megaiates geram mais de 7.000 toneladas de emissões de carbono por ano, enquanto os cidadãos comuns tentam conscientemente viver um estilo de vida ecologicamente correto. O antropólogo Richard Wilk e seus colegas calcularam as emissões de CO2 do mundo dos super-ricos e agora estão pedindo medidas imediatas para regular as emissões de CO2 e redistribuir a riqueza global.

Como você colocou em sua pesquisa, a pegada de carbono dos super-ricos é milhares de vezes maior do que a de uma pessoa normal. Por que isso acontece?

Richard Wilk – Em grande parte, é por causa de seus estilos de vida excessivos e do fato de que eles desfrutam de uma tremenda privacidade em seus iates e várias residências. São realmente os jatinhos e os iates particulares que compõem a maior parte de suas emissões de carbono. No artigo, não poderíamos contar o carbono incorporado que vai para a produção de aeronaves e iates. Eles são responsáveis ​​por uma quantidade substancial de emissões de carbono que nem contamos. E depois há a emissão de carbono das empresas que os bilionários possuem e das atividades de suas famílias e de suas equipes de apoio – que também não poderíamos contar. Então, eu suspeitaria que suas emissões reais de carbono estão perto do triplo da quantidade que pudemos contar.

E vale a pena notar também que estávamos comparando bilionários com outros cidadãos de países com emissões muito altas. Se você pegar cidadãos nos EUA ou na Austrália, verá talvez 10 a 20 toneladas de emissões de CO2 por ano, enquanto na França, Suíça ou Noruega provavelmente estará próximo de 6 toneladas. As nações pequenas e pobres quase não causam emissões per capita. Portanto, há uma grande diferença entre as regiões do mundo.

Em sua pesquisa, você se concentrou em 20 bilionários devido à disponibilidade de dados. O estilo de vida dos bilionários que vivem nos EUA é diferente dos que vivem, por exemplo, na Europa?

Richard Wilk – Um dos bilionários que examinamos mais de perto é o Roman Abramovich, que é de fato o maior emissor de carbono em nossa tabela. Foi cidadão da Rússia, viveu no Reino Unido e em Israel e agora tem cidadania da União Europeia, em Portugal. Isso demonstra como os bilionários se tornaram uma espécie de elite global. Eles moram em vários Estados e estacionam seus bens em paraísos fiscais. Em seguida, registram seus iates em diversos lugares como Belize e Panamá, onde há muito pouca supervisão e taxas muito baixas. Eles têm uma incrível rede de empresas privadas e de fachada que os protegem da maioria das investigações de sua riqueza com as quais escapam de restrições nacionais de vários tipos. Então, perguntar a qual país eles pertencem é difícil de responder. Porque eles podem ir para onde quiserem. Eles têm uma espécie de nacionalidade transcendente.

Agora não há apenas os seus estudos, mas também os da Oxfam. Segundo eles, os 10% mais ricos da população mundial são responsáveis ​​por metade de todas as emissões de CO2. Portanto, parece óbvio que são os super-ricos que precisam mudar seu estilo de vida e comportamento em primeiro lugar. No entanto, nós falamos principalmente sobre agir como indivíduos: reduzir o plástico, produzir menos lixo, usar nossos carros com menos frequência. Por que não falamos muito mais sobre os ricos?

Richard Wilk – Bem, acho que há uma tendência crescente de as pessoas se concentrarem nos super-ricos. Tenho visto uma enxurrada de pesquisas e publicações ultimamente. Há também um livro chamado Why We Can’t Afford the Rich, de Andrew Sayer, que expõe os mecanismos injustos que permitem ao 1% mais rico desviar a riqueza produzida por outros.

A questão é: o que você pode fazer para constrangê-los? E como você pode diferenciar o greenwashing de seus esforços reais para mudar as coisas? Por exemplo, Elon Musk faz um grande negócio pelo fato de não possuir mais nenhuma propriedade. Ele vendeu todas as suas casas, ele não possui um jato particular. Mas suas empresas fornecem a maioria dos serviços que ele usa. E então você olha para ele em sua roupa espacial e vê que há muito dióxido de carbono envolvido em enviar seus carros para o espaço. A própria Tesla tem um ótimo histórico de redução de emissões de carbono do processo de fabricação. Mas Musk é inteligente. Ele se vira e vende esses créditos de emissão para outras empresas que são poluidoras. Então, muitas vezes descobrimos que no processo de tentar reduzir seu próprio consumo, na verdade aumenta a carga em algum outro lugar do sistema.

É mais fácil falar sobre comprometimento individual, por exemplo, reciclagem, do que falar de mudança sistêmica?

Richard Wilk – Sim, vamos usar a reciclagem como exemplo. Acho que a Alemanha é um dos melhores exemplos de lugar onde o governo abordou algumas das questões sistêmicas da reciclagem. Aqui nos EUA, quando você compra um eletrodoméstico, ou qualquer outro item grande, você fica com a embalagem e isso se torna seu problema como consumidor. Eu tenho que dirigir até um centro de reciclagem para entregar esse papelão para alguém que o enviará pelo país para uma fábrica onde ele é transformado em celulose que será enviado por todo o país novamente para ser transformado em papelão, e depois enviado para outra empresa que vai usar a caixa antes de enviá-la para um consumidor indefeso diferente. Já na Alemanha, a lei diz que o fabricante tem que reciclar a embalagem. Mas, ao transformá-lo em um problema individual, em algo pelo qual todos somos responsáveis, deixamos de pensar nele como um problema sistêmico. Como um problema de desigualdade e distribuição de riqueza. E como um problema de corporações que querem fugir de suas responsabilidades.

Essa é uma razão pela qual queríamos nos concentrar em indivíduos super-ricos, cujo desperdício está em um nível tão impressionante. Porque precisamos ter mais controle e regulação sistêmicos.

Essa é a pergunta, não é? Como podemos regular o seu comportamento? O que podemos fazer para que os bilionários tenham um estilo de vida menos excessivo?

Richard Wilk – Bem, a primeira coisa que os Estados europeus e os estados norte-americanos poderiam fazer é se livrar dos abrigos fiscais offshore. Não deveria ser tão fácil montar uma corporação de fachada e misturar dinheiro para evitar impostos. Você vê, esses bilionários não estão apenas poluindo os bens comuns. Eles também estão fugindo de suas obrigações financeiras de pagar impostos. Precisamos de algum tipo de ordem de cooperação internacional para controlar os poluidores globais. Afinal: a maior parte de sua riqueza veio da venda de coisas para nós. Não podemos evitar de enviar nossos lucros para eles. Mas quem são eles – quem os elegeu para decidir por conta própria não pagar impostos, mas gastar esse dinheiro como quiserem?

Se você voltar cerca de 120 anos na Europa, não era incomum os Estados confiscarem os bens de pessoas super-ricas ou forçá-las a entregá-los ao governo como um empréstimo. Os super-ricos sempre foram alvo de governos que precisam de dinheiro. Mas, então, se você olhar para o colapso da União Soviética, verá que funcionou exatamente da maneira oposta, quando o governo estava basicamente doando todos os seus ativos para oligarcas e bilionários.

Richard Wilk
Richard Wilk

Eu diria apenas: o que os Estados dão às pessoas, eles também podem tirar delas. Eu, pelo menos, ficaria perfeitamente feliz em ver meu governo estabelecer um limite de quanto você pode possuir, quanta riqueza você tem. Mas temos uma ideologia muito forte de individualismo e uma crescente hostilidade ao bem comum nos EUA.

Você sugeriu que deveríamos estabelecer um “jogo da vergonha” para chamar pelo nome aqueles que põem em risco nosso clima. Você poderia explicar um pouco essa ideia? Seria como o Oscar dos poluidores climáticos?

Richard Wilk – (risos) Essa é uma ideia muito criativa. Você sabe, a vergonha é uma emoção interessante. Pode ser usada de uma maneira muito maligna. Vimos muitos incidentes na web de pessoas sendo envergonhadas nas mídias sociais por pequenos erros que arruinaram suas vidas. Mas usada de maneira moderada, a vergonha pública pode ser usada para colocar os super-ricos, e seus comportamentos, no centro das atenções. Afinal, muitos deles são sensíveis a sua imagem pública. Como antropólogo, estudei como a vergonha tem sido usada para controle social por diferentes sociedades. Estamos muito conscientes do que as outras pessoas pensam de nós e a vergonha tem um tremendo poder de mudar o comportamento das pessoas. A ameaça de vergonha ou exposição é, na verdade, o que impede que muitas pequenas comunidades se tornem mais desiguais.

Eu jamais diria que é uma panacéia para os problemas de desigualdade. Mas é uma das coisas que não devemos ignorar. Toda vez que abordo isso em uma reunião de pesquisa de consumidores ou em um fórum de consumo e sustentabilidade, as pessoas dizem: “Ah, não, não podemos fazer isso. Isso é terrível! Isso é um reforço negativo! Devemos dar às pessoas reforço positivo para fazer as coisas melhor!” Mas, você sabe, isso meio que nos colocou no estado em que estamos.

Precisamos pensar seriamente nas escolhas difíceis, não nas fáceis. E as difíceis são sobre mudar a distribuição da riqueza na sociedade e limitar o estilo de vida das pessoas. Claro, o racionamento é sempre impopular. Por outro lado, o racionamento é uma maneira justa de distribuir as coisas. Pelo menos mais justo do que temos agora, quando temos um sistema no qual, desde que você tenha dinheiro, pode fazer o que quiser.

Ao ensinar antropologia, sempre pergunto aos meus alunos como explicaríamos isso a um grupo de alienígenas de outro planeta, que pousaram e queriam saber por que fazemos as coisas do jeito que fazemos. Como explicaríamos a eles que temos um bilhão de pessoas mal sobrevivendo dia após dia e crianças desnutridas com barriga inchada? E, ao mesmo tempo, temos essas pessoas viajando em iates de 150 metros com helicópteros particulares? Não sei como poderia explicar isso de maneira racional. Porque não é uma maneira racional de distribuir as coisas. É o contrário: é uma loucura.

O estudo de Richard Wilk e Beatriz Barros explicado

Em seus cálculos, Richard Wilk e Beatriz Barros estimaram, ou calcularam, a pegada de carbono dos super-ricos – resultante, por exemplo, da construção e uso de uma mansão ou do uso de jatos e superiates. Eles não estavam preocupados em calcular a pegada de carbono criada na cadeia de suprimentos quando cada produto é fabricado. Além disso, as toneladas de CO2 consumidas não incluem as emissões das empresas totalmente ou parcialmente controladas por eles. Isso exigiria um estudo separado. Em outras palavras, essas são estimativas personalizadas e conservadoras das emissões bilionárias.

Os dois pesquisadores usaram pela primeira vez a lista das 100 pessoas mais ricas de 2020 da revista Forbes, que inclui 2.095 bilionários e bilionários. Como muitas pessoas ricas evitam a publicidade e nada se sabe sobre seus estilos de vida e consumo, os pesquisadores se concentraram em 20 bilionários conhecidos nos Estados Unidos.

Este texto foi republicado de Scoope.me sob uma licença Creative Commons. Leia o original em inglês.

Leia mais entrevistas do ESG Insights.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Insights no seu e-mail

Um resumo das novidades em ESG, além de entrevistas e artigos exclusivos. Semanalmente no seu e-mail, de graça.