Categorias
Artigos Factiva Últimas notícias

Sistema global de classificação ESG não faz sentido

Faltam transparência, regulamentação e critérios globais. Mas há iniciativas para mudar isso

POR MARC LEPERE

À medida que a guerra na Ucrânia se intensifica, os profissionais de finanças de Wall Street e da Europa atraíram indignação ao sugerir que investir em fabricantes de armas poderia ser tratado como investimento ético. Na luta contra a tirania, eles argumentaram que tal investimento “preserva a paz e a estabilidade global” e defende “os valores das democracias liberais”. Assim, pertence à categoria de investimento cada vez mais lucrativa conhecida como ESG (ambiental, social e governança).

O ESG é visto como um marco para o investimento socialmente consciente. Se você selecionar uma opção que diz que deseja que sua previdência ou investimento seja alocado de forma ética, quem cuidar do seu dinheiro o colocará em fundos ESG – ou seja, fundos que detêm apenas empresas com classificação ESG.

Infelizmente, o rótulo atualmente não vale o papel em que está escrito – e não apenas por causa da controvérsia sobre os fornecedores de defesa. Minha pesquisa recente mostra que isso mina completamente o potencial do ESG como uma força para o bem. Como veremos, no entanto, os reguladores estão pelo menos fazendo movimentos na direção certa.

Como funciona o ESG

O investimento ESG evoca ideias de empresas dedicadas a um mundo mais justo e sustentável. Você os imagina reduzindo as emissões de carbono e o uso de água, criando bons empregos com remuneração e oportunidades iguais ou garantindo que sejam bem administrados e responsáveis perante acionistas, funcionários e clientes.

Desde o início, há cerca de uma década, a Bloomberg calcula que US$ 41 trilhões (aproximadamente R$ 210 trilhões) em ativos financeiros sob gestão levarão o rótulo ESG até o final de 2022. A projeção é que esse valor suba para US$ 53 trilhões (R$ 272 trilhões) até 2025, ou um terço de todos os ativos sob gestão no mundo – um dado incrível. No entanto, quanto mais de perto você olhar para o que significa ESG, mais difícil será obter respostas claras.

As empresas são avaliadas em seu desempenho ESG por uma série de agências de classificação, sendo as maiores a MSCI e a Refinitiv, ambas com sede em Nova York, e a Sustainalytics, com sede em Amsterdã. Essas agências produzem pontuações opacas usando diferentes metodologias. As pontuações agregam centenas de entradas que mascaram dados muitas vezes inconsistentes e incompletos fornecidos pela empresa que está sendo avaliada. Não há padronização em todo o setor e nenhuma regulamentação das classificações.

Igualmente preocupante é a forma como os gestores de fundos reúnem os fundos ESG que oferecem a consultores financeiros e amadores como oportunidades de investimento. Qualquer fundo pode ser rotulado como ESG desde que o gestor do fundo tenha levado em conta os fatores ESG, mas alguns fundos acabam sendo muito mais éticos do que outros.

Existem basicamente três tipos de fundos. Os mais éticos têm como objetivo o investimento sustentável ou a redução das emissões de carbono. Depois, há aqueles que excluem setores inteiros, como o de tabaco ou os fabricantes de armas. Você sabe que definitivamente não está sendo exposto ao que está excluído, mas a lógica por trás do que está incluído pode ser mais difícil de discernir.

A terceira categoria é dos fundos que foram renomeados como ESG. De acordo com a empresa de pesquisa de investimentos Morningstar (dona da Sustainalytics), 536 fundos em toda a Europa foram renomeados dessa maneira em 2021, o dobro do número que foi renomeado de forma semelhante em 2020 – portanto estamos falando de uma grande parte da indústria. Muitos fundos têm taxas mais altas do que os fundos não ESG, o que sugere que esse é um atrativo da nova rotulagem.

O que significam as classificações ESG

Há também uma questão fundamental sobre o que significam as classificações ESG. Por exemplo, pesquisas recentes descobriram que dezenas de bancos líderes, incluindo Wells Fargo, Citi e Morgan Stanley, receberam pontuações ESG mais altas apesar de aumentarem seus empréstimos e investimentos em empresas de combustíveis fósseis.

Isso foi possível porque as agências de classificação se preocupam exclusivamente em avaliar os riscos externos ambientais, sociais e de governança para a capacidade de uma empresa gerar fluxo de caixa e lucros no futuro (conhecido como “materialidade”). Eles não estão preocupados – ao contrário do que a maioria das pessoas provavelmente supõe – com os riscos que a empresa representa para o meio ambiente ou a sociedade. Assim, quando as agências de classificação aumentaram as pontuações ESG desses bancos, eles estavam simplesmente dizendo que os riscos ambientais e sociais para os lucros eram menores do que anteriormente.

Se os fabricantes de armas fossem considerados ESG, você poderia aplicar uma lógica semelhante: a guerra na Ucrânia reduziu os riscos de que essas empresas sejam atingidas por um período pacífico em que não vendem muitos equipamentos, então, sem dúvida, sua pontuação ESG deve aumentar. A única razão pela qual isso não está acontecendo é porque o setor de defesa é excluído dos fundos ESG por não ser considerado ético em si. As exclusões de setor são, sem dúvida, o único julgamento ético em todo este negócio.

As agências de classificação ESG também têm usado inteligência artificial e aprendizado de máquina (machine learning) para tornar a pontuação ainda mais inútil. Eles vasculham a internet em busca de declarações sobre ESG dadas pelas empresas, e do sentimento público nas mídias sociais sobre as atividades delas, e inserem esses dados em algoritmos que geralmente aumentam as pontuações ESG dessas companhias.

O problema é que as divulgações sobre ESG geralmente são apenas documentos de marketing. Ao contrário dos relatórios financeiros das empresas, não há exigência legal de que sejam assegurados por contadores públicos certificados. As empresas podem escolher fatos positivos e ignorar o que não querem que vejamos. Todos os US$ 41 trilhões em ações com classificações ESG estão sendo coloridos dessa maneira. Minha pesquisa chama isso de “efeito de eco ESG”. Isso significa que quanto mais uma empresa divulga suas divulgações ESG, melhores serão suas classificações ESG.

Esperança para o futuro

Então, o que os reguladores estão fazendo? Novas regras da União Europeia (UE) introduzidas em 2018 tornam os relatórios ESG mais significativos, exigindo que as grandes empresas listadas relatem uma série de métricas anualmente juntamente com seus relatórios financeiros. Eles têm que pesar não apenas os riscos externos para seus lucros e fluxo de caixa, mas também as maneiras pelas quais suas atividades ameaçam o meio ambiente e a sociedade (incluindo ambos os tipos de riscos é conhecido como “dupla materialidade”). Desde 6 de abril, grandes empresas listadas no Reino Unido devem atender a requisitos semelhantes (embora inicialmente apenas para questões climáticas).

Os EUA também acabaram de publicar propostas exigindo divulgações de ESG das empresas, mas apenas para riscos relacionados ao clima e não há exigência de dupla materialidade. Os chineses parecem ter adotado uma abordagem semelhante nas novas regras introduzidas em fevereiro.

A UE também introduziu regras em 2021 exigindo que os gestores de fundos definam e rotulem os fundos ESG de maneiras específicas pela primeira vez. Essa é uma grande mudança que dá aos investidores muito mais clareza sobre em que estão investindo seu dinheiro. Enquanto isso, a UE e a China publicaram propostas de padrões internacionais para definir investimentos verdes e orientar investimentos para projetos sustentáveis em seis setores industriais, com foco na mitigação da crise climática.

No geral, o progresso é promissor, mas ainda é irregular. Muitas partes do mundo ainda precisam aceitar a exigência de que as empresas façam uma análise de dupla materialidade. Pequenas e médias empresas em todos os lugares precisam de normas de divulgação de dados, embora com exigências de relatórios mais leves do que para as empresas maiores (assim como com relatórios financeiros). As divulgações precisam ser asseguradas por contadores públicos certificados – mesmo na UE, isso ainda é voluntário. E as agências de classificação ESG devem ser regulamentadas: elas têm sido amplamente ignoradas pelos reguladores até hoje.

O ponto é que há uma enorme oportunidade de negócios em negócios sustentáveis. Mas se o ESG estiver à altura de seu potencial, ainda estamos muito longe de torná-lo significativo.

Marc Lepere, doutorando em Economia Política, King's College, Londres. Foto: Divulgação

Marc Lepere – Doutorando em Economia Política, King’s College, Londres

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original em inglês.

Leia mais artigos do ESG Insights.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS


Insights no seu e-mail

Um resumo das novidades em ESG, além de entrevistas e artigos exclusivos. Semanalmente no seu e-mail, de graça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *