Categorias
Entrevistas exclusivas Factiva iG Tudo sobre ESG

O papel das mulheres na construção de um futuro ESG

Daniele Ciotta, engenheira ambiental e gerente da Divisão de Meio Ambiente e Responsabilidade Social na Copel Distribuição (Foto: Divulgação)

Para Danielle Ciotta, coordenadora do livro A voz feminina da sustentabilidade, as mulheres estão impulsionando ESG nas empresas por meio de um olhar mais sensível

POR BÁRBARA VETOS

A participação ativa das mulheres em questões ESG dentro das empresas tem ajudado a impulsionar a agenda sustentável. Segundo a pesquisa Profissionais de tecnologia no Brasil (2021), da Revelo, 72% das empresas com alto desempenho ESG possuem uma ou mais mulheres atuando no conselho de administração, e 52% possuem uma ou mais mulheres na diretoria.

Inspirada por essas tendências e a fim de ver cada vez mais mulheres à frente de projetos envolvendo o assunto, Daniele Ciotta, engenheira ambiental e gerente da Divisão de Meio Ambiente e Responsabilidade Social na Copel Distribuição, publicou o e-book A voz feminina da sustentabilidade. A obra é composta por uma coletânea de 75 textos, escritos por 81 autoras – alguns em coautoria – e aborda temas diversos dentro do viés sustentável.

O que surgiu de uma inquietação enquanto profissional e cidadã se tornou um projeto muito maior. Os formatos das publicações variam: artigo de opinião, textos mais científicos, história pessoais, cases. Para a engenheira, essa pluralidade de temas e estilos é um diferencial, e faz com que as pessoas possam escolher o que desejam ler de acordo com interesse e afinidade.

Em entrevista ao ESG Insights, Ciotta conta um pouco sobre o processo de criação do livro, a importância de abordar o tema por uma perspectiva feminina, de que forma as mulheres podem agregar na construção de um futuro ESG e o papel das empresas nisso. Confira.

ESG Insights – Por que falar sobre mulheres, especificamente, dentre tantas abordagens possíveis sobre sustentabilidade?

Daniele Ciotta – Eu queria fazer algo só para mulheres, porque é uma pauta que eu também me envolvo. Queria enaltecer o trabalho delas. Eu saí convidando, fiz postagens nas redes sociais, uma foi chamando a outra. Eu tinha expectativa de conseguir uns 40 textos, mas no final tivemos muito mais.

Foi um sucesso de adesão e engajamento das mulheres. Todo mundo que atendeu aos requisitos teve seu texto publicado, não deixamos ninguém para trás. Isso me trouxe bastante alegria, me fez perceber o quanto as mulheres estão engajadas nessa questão de ESG e sustentabilidade.

ESG Insights – Quais você considera que são os principais desafios enfrentados pelas mulheres que trabalham em sustentabilidade e ESG?

Daniele Ciotta – Ainda há uma vertente contrária ao ESG, ou que acha que é um movimento ambientalista simplesmente, mas estamos vendo que não é. Isso é uma cobrança da sociedade e do próprio mercado financeiro, mas sabemos que o caminho é longo. Muitas mulheres desejam ser ouvidas e enfrentam dificuldades.

Essa resistência por parte de algumas empresas ainda existe, mas outras já estão se vendo até obrigadas a pautar esse assunto, porque é algo que está em alta. Não tem como fugir. Liderança feminina também é uma pauta ESG e, com todas as transformações que temos visto nos últimos anos, as mulheres têm conquistado, aos poucos, mais espaço.

ESG Insights – Quais você entende que são os benefícios de ter mulheres trabalhando com sustentabilidade?

Daniele Ciotta – Não só em sustentabilidade, mas a equidade e a diversificação de gênero dentro das empresas, inclusive em cargos de liderança, propiciam um ambiente de inovação, de criatividade, de pontos de vista diferentes.

Muitas vezes, as mulheres são alvo de críticas pelo fato de serem ou poderem vir a ser mães, como se isso atrapalhasse na carreira e no desempenho delas dentro das empresas. Mas a maternidade pode ser uma característica positiva e influenciar na visão de mundo dessas profissionais.

“As mulheres estão impulsionando ESG nas empresas com um olhar mais sensível”

Existem pesquisas que mostram que o fato de a mulher ser mãe aguça a questão da empatia, de ter mais paciência. As mulheres estão impulsionando ESG nas empresas com um olhar mais sensível, e isso inclui questões ambientais e sociais.

A diversidade, de uma maneira geral, seja em ESG ou em outras áreas, traz muitos ganhos na forma de pensar e na tomada de decisão.

ESG Insights – De que forma que você acha que as empresas podem contribuir para a inclusão desse público? E como podemos encorajar mulheres para que sigam em áreas ESG e entendam que elas têm sua importância ali?

Daniele Ciotta – A presença feminina nas posições de liderança das empresas e em ESG vai muito além de questões de direitos humanos, de equidade de gênero e de justiça social. Propicia um ambiente produtivo e passa a ser uma estratégia de negócios, fundamentada em evidências.

“A empresa tem que criar essa consciência de que a diversidade é importante e buscar superar esses estigmas culturais, estruturais e até institucionais”

Ainda hoje, nós temos mercados que, dependendo da área de atuação, são estritamente masculinos. Eu mesma trabalho em um lugar em que a grande maioria é homem.

A empresa tem que criar essa consciência de que a diversidade é importante e buscar superar esses estigmas culturais, estruturais e até institucionais, e tentar viabilizar uma participação mais ativa das mulheres.

Isso pode ocorrer por meio de programas de mentoria, de desenvolvimento de liderança, rede de suporte, oportunidades de carreira e ascensão profissional que não sejam restritas, equidade entre homens e mulheres.

É importante também que a empresa busque oferecer um equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, como com a questão da licença maternidade estendida. Já que ela tem uma vida dupla, ela precisa poder desempenhar os dois papéis.

ESG Insights – Qual a urgência que você enxerga hoje na questão da equidade de gênero dentro das empresas?

Daniele Ciotta – Não é uma questão de privilegiar as mulheres, mas de dar oportunidades. Existe uma desigualdade histórica que precisa ser reparada. As mulheres começaram a ter direitos e passaram a trabalhar há menos de um século. Há pouco mais de três décadas, foi estabelecida igualdade de direitos e deveres entre homens e mulheres.

“As empresas têm que pensar nessa reparação e no seu papel social para alavancar a pauta feminina”

Só no ano passado foi publicada a lei de igualdade salarial entre homens e mulheres. As empresas têm que pensar nessa reparação e no seu papel social para alavancar a pauta feminina.

Um relatório recente do Fórum Econômico Mundial mostrou que o mundo vai levar mais de 134 anos, ou seja, cinco gerações, para alcançar a igualdade de gênero. Se a gente não fizer nada agora, não estaremos nem aqui mais quando isso acontecer. Se é que vai acontecer… As empresas precisam agir.

ESG Insights – De que forma que você acha que o livro pode contribuir para esse fortalecimento da voz feminina na sustentabilidade? Qual é seu objetivo com ele?

Daniele Ciotta – O objetivo sempre foi dar palco às mulheres que trabalham com ESG, com sustentabilidade. Dar voz, como o próprio livro sugere.

No livro, temos profissionais ESG de várias frentes, temos engenheiras, advogadas, biólogas, jornalistas, mulheres consolidadas na carreira, em transição ou começando agora no mercado… A ideia é justamente que as empresas possam vislumbrar ali a especialidade que essas mulheres têm e isso possa abrir portas para elas.

O livro é uma grande uma grande vitrine para que essas mulheres possam ser vistas por sua competência profissional e façam a diferença no ramo da sustentabilidade.

O livro está disponível para download gratuito.

Foto: Divulgação
Daniele Ciotta, engenheira ambiental e gerente da Divisão de Meio Ambiente e Responsabilidade Social na Copel Distribuição

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS